Edifícios minha casa minha vida no Sol Nascente, Brasília/DF.

Estudo para concurso da CODHAB para 12 edifícios Minha Casa Minha Vida para o setor habitacional Sol Nascente.
A proposta presente para um edifício de uso misto visa solucionar e atender a demanda por unidades habitacionais e comerciais no Setor Habitacional Sol Nascente, localizado na Região Administrativa de Ceilândia – RA IX em Brasília | DF. Com o intuito de planejar um espaço que fomente a criação de comunidades mais ativas, uma vez que as cidades do entorno possuem frágil relação entre os espaços públicos e privados, o projeto em questão estimula a interação das pessoas, a vigilância coletiva e o uso do espaço como parte da sociedade. A partir desta premissa, o projeto conta com cinco pontos fortes. São eles:
Requalificação | Convívio Social | Sustentabilidade | Conforto | Economia
Pensando em uma solução que possa ser aplicada nos seis módulos em formato “L”, os dois conjuntos neste inseridos possuem área intersticial voltada para o uso coletivo. Assim, a implantação dos edifícios resultou em área de construção calculada em 23.757 m², com coeficiente de aproveitamento 3,3 e taxa de ocupação de 72%. Atendendo à legislação local e as normas do programa Minha Casa Minha Vida, o projeto conta com edifícios em que os três pavimentos são destinados exclusivamente para uso residencial, o pavimento térreo voltado para uso comercial e residencial destinado à pessoas com deficiência e um subsolo semienterrado atendendo a MDE-RP 031/16 item 8.2.2, em que prevê uma vaga de estacionamento obrigatória no interior do lote para cada duas unidades habitacionais.
A implantação proposta visa estabelecer uma aproximação da comunidade através do convívio social e da preservação da área verde. Assim, os edifícios se inserem no terreno de maneira que atenda à demanda comercial pelos moradores do Sol Nascente de forma eficaz, sem agredir a privacidade dos moradores daqueles edifícios. A proposta aproveita o desnível do terreno para a inclusão de uma garagem semienterrada com acesso às torres de circulação vertical. Os habitantes contarão com um ambiente de convívio social interno e centralizado ao lote. Foi proposto um espaço para implementar playground, bancos, horta comunitária e jardim de forma que o mesmo seja convidativo e atraente para os habitantes. Com isso, o resultado esperado é o estabelecimento de vínculos afetivos reais entre os vizinhos e o suprimento da demanda por número de apartamentos, além da facilidade de acesso a um comércio próximo.